© 2017 por Mulato Bamba Produção Musical.

VALSERESTAS BRASILEIRAS

          Certos encontros acontecem não por mero acaso, mas por confluência de talentos, identidades musicais, estilos. Senão por outros fatores subjetivos ou de ordem mística, aqui não cabíveis.

     O recital “Valserestas” traz a público o lado camerístico do duo Sacramento – Alcofra, interpretando “clássicos” da nossa Música Popular, belas valsas e serestas inesquecíveis.

         

       Marcos Sacramento e Luiz Flavio Alcofra formam um amálgama artístico raro – os dois se entendem por música, sons e versos interagem, se harmonizam, se complementam – como se a voz de um e o violão do outro formassem um terceiro elemento íntegro, harmônico, indissociável.

 

          Sacramento, além de notório intérprete é também compositor e ator. Recebeu ao longo de sua carreira, com mais de quinze álbuns gravados, indicações ao Grammy Latino e ao Prêmio da Música Brasileira. Atuou em musicais como “É Com Esse Que Eu Vou”, “Forrobodó” e “A Cuíca do Laurindo”. Alcofra é um dos representantes de uma geração de memoráveis violonistas, compositor, arranjador e professor em diversas instituições com destaque à UNIRIO e Escola Portátil. Atua como músico nos grupos “Terno Carioca, “Cordão do Boitatá” e “Água de Moringa” e no “Quarteto Alevare”.

          O encontro dos dois se deu há cerca de 15 anos e juntos ou em parceria com outros músicos – já correram o mundo: todo o Brasil, Argentina, Portugal, França, Noruega, Holanda, Gabão, Itália entre outros países.

Parceiros em canções e trabalhos, Sacramento e Alcofra mostram em “Valserestas” um pouco de tudo isso... e muito mais!

 

          “A experiência de vê-lo cantar ao vivo ressalta qualidades que nos discos não estão tão claras: seu belíssimo timbre, a força na interpretação (traço raro, hoje), a presença de palco (o cara parece ter óleo nas juntas), a perfeita afinação, as variações precisas nas inflexões vocais. Tudo isso a serviço do repertório de ótimo gosto: algumas das melhores valsas e serestas do nosso cancioneiro.” (por Marcelo Moutinho)